Lá se pensam, cá se fazem.

Portus Guest House

A Desertificação Populacional e Económica na baixa do Porto é um problema que se evidencia. Nas últimas décadas, a baixa do Porto tem vindo a perder protagonismo. Devido ao elevado estado de degradação de grande parte dos edifícios e dos arruamentos, a baixa foi-se desertificando. Nos dias que correm o abandono dos espaços comerciais é elevado devido à falta de rendimentos das famílias e comerciantes da cidade do Porto. O desemprego instala-se e mina toda a economia da nossa cidade. É necessário travar a desertificação habitacional do Centro Histórico do Porto e renovar o Porto com novos conceitos comerciais, com parcerias entre pequenos e médios empresários dinamizando o comércio tradicional e a economia na baixa do porto de modo a aumentar postos de trabalho e revitalizar o comércio. Mas graças à criatividade de muitos elementos da nossa sociedade acredito que podemos revitalizar a economia da cidade. Há muito, muito tempo, quase nos primórdios da civilização, havia um lugar ao qual chamaram Porto por ser de paragem obrigatória às gentes que viajavam no país. A terminologia da palavra aponta para portus, a porta, topónimo que traduz a vida comercial e o desejo de um povo pioneiro na descoberta do desconhecido. O Porto esteve sempre ligado a acontecimentos de maior relevo da história nacional. Na génese do nome do país (portucale) foi berço do infante D. Henrique e fiel depositário do coração de D. Pedro IV em homenagem aos tripeiros pelo contributo prestado à causa liberal. Factos históricos que, repetidamente os governos centralistas parecem desprezar. É tempo de exigirmos o respeito que nos é devido. Se o turismo é uma saída para a conjuntura económica que atravessamos porque não apostar e unir esforços nesta área? A minha ideia é criar uma guest house na cidade do porto, espaço habitacional e de alojamento local alternativo que se situará na cidade do Porto diferente dos outros espaços que existem, um espaço de divulgação do trabalho e de reconhecimento dos artistas da cidade. Um espaço agradável e confortável que transbordará de imagens representativas da cidade do Porto, da riqueza das peças artísticas dos nossos artesãos e do trabalho dos criativos desta bela e histórica cidade, posicionando-o numa cadeia de valor média-alta segmentado para o turismo de lazer oferecendo todo o conforto e bem estar ao cliente personalizando o serviço com pequenas atenções a que eu chamo "mimos", fidelizando os clientes e dando-lhes apoio e orientação para descobrirem o que de mais belo temos na Nobre, Bela e sempre Leal Invicta. O saber receber é uma arte. Paralelamente quero apostar na divulgação e comercialização de produtos artesanais de parceiros económicos no meu espaço. A resposta ao cliente será imediata. Apostando no Marketing Relacional, aliado aos novos meios de comunicação, vai permitir direccionar a minha mensagem de uma forma eficaz ao meu público-alvo. A porta da minha guest house, estará sempre aberta ao mundo, às gentes e aos povos que pela Invicta passam. A procura por parte de turistas em lazer tem vindo a aumentar consideravelmente na Invicta que tem tanto para oferecer. É um segmento de mercado que tem vindo a crescer e espaços de alojamento como a que idealizo não existe nenhum. Ao criar o meu posto de trabalho, promovo a minha cidade, o meu espaço, os meus serviços, o trabalho artístico de outros e fomento a economia tradicional que está a morrer. Espaço cultural e de lazer que não poderá deixar passar a oportunidade de conhecer. Ponto de partida para poder apreciar a bela cidade. É importante promover o espaço habitacional e ao mesmo tempo criar mais dinâmica, mais compromisso entre vários serviços.

Célia Morais

Visionário
Vila Nova de Gaia, Portugal

Telma Moreira

Facilitador
Porto, Portugal

Fábio Mota

Comunicador
Berlim, Alemanha

Sara Cunha

Facilitador
Porto, Portugal

Comentários